28
Abr

Teve lugar, dia 20 de Abril de 2010, no Governo Civil de Aveiro, a Cerimónia Distrital de Entrega de Prémios do Concurso Escola Alerta.

O acto contou com a presença do Governador Civil de Aveiro, José Mota, da Directora Regional de Educação do Centro, Helena Libório e representante da Direcção Regional do Norte, Luís Lopes, da Directora do Centro Distrital de Segurança Social de Aveiro, Helena Terra, para além dos coordenadores das Equipas de Apoio às Escolas do Distrito. Este ano, em ambas as categorias, concorreram um total de 22 trabalhos, envolvendo 800 alunos e 90 professores.
Recorde-se que os vencedores foram os seguintes:

CATEGORIA 1 (1.º e 2º. ciclos)
1º Prémio: Agrupamento de Escolas da Corga do Lobão, intitulado “Desenhando Novos Caminhos”. Estabelecimento de Ensino: EB1 de Beira Gião

O trabalho foi apresentado em suporte multimédia e destacou-se pelo nível do conteúdo apresentado (identificação das barreiras, propostas de soluções e elaboração de carta de compromisso). O Júri deu especial importância ao trabalho do Agrupamento neste concurso, sendo notória a envolvência de todas as escolas neste trabalho.

CATEGORIA 2 (3.ºciclo e ensino secundário)
1º Prémio: Agrupamento de Escolas de Albergaria-a-Velha, Escola Secundária C/ 3º Ciclo de Albergaria-a-Velha-7º ano “Dar Ouvidos a Quem Ouve” é o nome do projecto votado por unanimidade pelo Júri. O trabalho apresentado prima pela inovação, originalidade e acima de tudo, pela funcionalidade do projecto para as pessoas portadoras de deficiência auditiva.

Menções Honrosas:
O Júri distrital de Aveiro deliberou atribuir duas Menções Honrosas. Na categoria 1 o júri deliberou por unanimidade atribuição da Menção Honrosa à Escola Básica 2,3 de Aradas, pela originalidade como trabalharam a temática. Na categoria 2, o júri atribuiu a Menção Honrosa ao trabalho apresentado pela Escola Secundária Soares Basto pela inovação do formato e pelas potencialidades e universalidade do projecto.
Os prémios para os vencedores consistem numa estátua em cristal com o logótipo do programa Escola Alerta, e num prémio pecuniário de 600 euros e em diplomas para escola, alunos participantes e professores.

[B]O Concurso “Escola Alerta”[/B]

O Programa do Governo apresenta como uma das prioridades em matéria de política de reabilitação, promover a participação plena de todos os cidadãos nas mais diversas esferas da vida política, económica e social através da criação de mecanismos para impedir que qualquer pessoa seja limitada no exercício dos seus direitos e deveres de cidadania por motivos relacionados com as deficiências ou incapacidade.

Atendendo a que na maioria das vezes a falta de participação das pessoas na sociedade resulta da relação das pessoas com diminuição de funções de ordem física, psicológica, sensorial ou intelectual com o meio ambiente, a acessibilidade a todos os bens e serviços existentes na sociedade é condição fundamental para que as pessoas com deficiências ou incapacidade vejam os seus direitos fundamentais reconhecidos e garantidos.

Nesta conformidade, é fundamental informar e sensibilizar a opinião pública a favor da não discriminação das pessoas com deficiências ou incapacidade, bem como combater as barreiras arquitectónicas e comportamentais que criam obstáculos à sua integração e participação.

Sendo a Escola o espaço privilegiado para fomentar a construção de uma sociedade mais igualitária e solidária, foi lançado em 2003/2004 o Projecto “Concurso Escola Alerta!”, com o objectivo de sensibilizar as crianças e os jovens do Ensino Básico e do Ensino Secundário para as questões da deficiência, mobilizando-os para o combate à discriminação de que são alvo as pessoas com deficiências ou incapacidade, através da eliminação das barreiras urbanísticas, arquitectónicas, de informação e de comunicação que dificultam ou impedem a sua acessibilidade, participação e pleno gozo da cidadania.

A iniciativa, da organizada a nível nacional pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, através do Instituto Nacional para a Reabilitação, conta com o envolvimento do Ministério da Educação e dos Governos Civis.


Esta notícia já foi consultada 1412 vezes
 
Publicidade