1
Ago
Iniciativa que envolve perto de 150 pessoas em três turnos desperta sensibilidade religiosa dos participantes e proporciona apoio moral aos pais.

As 'Férias para Mães’ de pessoas com deficiência começam hoje em Fátima, envolvendo 150 pessoas numa iniciativa que desperta a sensibilidade religiosa dos participantes incapacitados, oferece apoio moral aos pais e proporciona uma experiência de voluntariado.

“Tentamos usar várias linguagens para chegar a todos, como o desenho e o teatro”, explicou a irmã Patrícia Rolando à Agência ECCLESIA, acrescentando que “todos os anos chegam cada vez mais inscrições”, feitas por pais que podem optar por acompanhar os filhos, voltar à sua atividade laboral ou partir para férias.

O programa de cada um dos sete dias do encontro inclui brincadeiras, jogos, música, reflexão sobre temas religiosos e visitas a locais onde ocorreram as aparições do anjo e de Virgem Maria, na Cova da Iria, bem como à casa onde moravam os pastorinhos, em Aljustrel.

As ‘Férias para Mães’, que se realizam no Centro Francisco e Jacinta Marto, em Montelo, cinco km a sul do santuário de Fátima, constituem para “muitos jovens” a oportunidade de visitarem pela primeira vez a Cova da Iria, nota a religiosa italiana que desde há quatro anos se envolve na iniciativa.

Nesta edição privilegiou-se quem nunca esteve presente, tendo ficado de fora 20 interessados, pois as regras estabelecem que em cada um dos três turnos, dois para participantes dos 7 aos 20 anos e outro para adultos dos 21 aos 40, não pode haver mais de 50 pessoas entre crianças, jovens, voluntários, religiosas e pais.

Os pais vivem “uma experiência muito forte”, dado que a partilha de vivências contribui para que se “deem forças mutuamente”, e também porque reagem favoravelmente ao modo como as crianças são acolhidas: “Eles ficam sem palavras de agradecimento ao verem que os filhos foram tratados como pessoas e não como objetos”, afirmou a irmã.

A iniciativa constitui um desafio para os voluntários estreantes: “Chegam sempre com receio porque têm de cuidar das crianças logo no primeiro dia e não sabem como estar com pessoas com deficiência. Mas com o passar do tempo ficam admirados pela simplicidade de estar com eles”, referiu a responsável.

As ‘Férias para Mães’, parceria entre a comunidade religiosa dos Silenciosos Operários da Cruz, a que pertence a irmã Patrícia, e o Movimento Mensagem de Fátima, revelam como as crianças com deficiência “são muito sensíveis à transcendência”.

A religiosa de 33 anos recorda um episódio ocorrido em 2010, num momento de oração: “Um menino com uma deficiência bastante grave olhou para Jesus na hóstia [Santíssimo Sacramento] e disse simplesmente ‘olá!’. Para nós foi um sinal de que reconheceu uma presença”.

As atividades desta edição das ‘Férias para Mães’ são organizadas em torno da frase ‘Santíssima Trindade adoro-vos profundamente’, tema anual escolhido pelo Santuário de Fátima, que promove e suporta financeiramente a iniciativa.

Os encontros realizam-se de 1 a 7 de agosto, entre 24 e 30 do mesmo mês e de 1 a 7 de setembro, tendo como prioridade fazer com que os deficientes “sejam tratados como pessoas, e não como objetos da caridade dos outros”, assinalou a irmã Patrícia Rolando.

Jornalista : RM
Fonte: Agência Ecclesia


Esta notícia já foi consultada 2509 vezes
 
Publicidade